Documental

Relato de parto por Gi Soares

Sobre 18 horas. Eu diria até uma das experiências mais incríveis que já pude presenciar.

A chegada de Santiago, a força dessa mulher Leonor, que foi além de forte, corajosa e enfrentou com toda sua alma a dor.

Sim, vou relatar um parto. Normalmente as mães fazem isso, e hoje eu como fotógrafa e amiga da Mok, vou falar sobre meu sentimento, sobre essa vivência, sobre essa entrega que foi o parto do Santi.

A Mok se tornou uma amiga muito especial, nos conhecemos bem no início da gravidez dela, nossa aproximação foi linda e natural, de um reciprocidade incrível. Quando falamos sobre fotografar o parto do Santi, confesso, fiquei com medo, pois nunca havia fotografado um parto humanizado domiciliar. Tive todo suporte dela e do Victor (marido da Mok). Participei do encontro do grupo de parto e conheci cada fase que iriamos passar juntos.

No dia 22/09 lembro que estava na casa de uns amigos a noite, e a Mok me enviou uma mensagem dizendo que estava indo jantar em um lugar super especial que ela tanto queria, ela me disse que sentia que possivelmente seria o último jantar antes do nascimento do Santi, que ela estava sentindo isso, por conta até das pequenas contrações que estavam chegando. No domingo lembro de ter ficado o dia todo ligada com ela, mensagens, e contrações aumentando, e assim seguimos. Na noite do dia 24/09 o Victor me enviou uma mensagem por volta das 21:30 e assim fui para casa deles.

Quando passei pela porta, já dava pra sentir toda emoção e carinho que invadia o lar deles. Lá estava a Doula, amada, Lari, dando todo apoio. Ajudei o Victor em algumas coisas na cozinha, e depois fui ver como ela estava, as contrações eram espaçadas porém super intensas, ela entoava um som alto mas ao mesmo tempo como se fosse um mantra, que se misturava entre alívio e dor. Comecei alguns clicks, os gatinhos deles Lupita e Rucio também acompanharam tudo de perto. 

Velas pela casa, uma playlist linda e cheia de amor, flores, chás, aromas, Santi estava vindo, a qualquer momento.

Algumas horas foram se passando, entre um vai e vem na bola de pilates, uma dança outra lá, um riso meio forçado, mas de alma, banho, sonecas curtas, lá se foram encaminhados para madrugada, Bolsa rompeu! opa! um bom sinal, vamos fazer força! troca de enfermeiras, mais dedicação, Mok forte e firme, agora mais intenso. Percebi o quanto ela já estava cansada, ainda não havia dilatação suficiente. Descansa mais um pouco. e ai vem o sol! lindo nasce no horizonte, e inunda a pequena sala cheia de vida pelo corpo dela em contato com o Santi, Victor seu fiel companheiro, nenhum passo longe dela. Seguiam olhos nos olhos, mãos dadas.

Trocamos muitas vezes de lugar, até eu ajudei nas contrações a segurando em muitos momentos. Logo se percebia a exaustão. Em algum momento ela sentiu uma dor maior, não estava suportando mais, foi para a cama. Pediu médico, gritou, chorou, e ainda assim, ela estava lá firme. Esperando o tempo do pequeno Santi chegar. 

Entre alguns pães de queijo (creio que comemos todos que haviam no congelador) chás e cafés seguiamos unidos a apoiar a nossa guerreira.

Ela perguntava, vai demorar? vocês disseram que ele estava chegando, cadê?

Mais trocas de enfermeiras e nos encaminhavamos para o fim da tarde.

Derrepente como se algo tomasse conta dela, exausta, com toda dor, ela gritou, é agora, e assim foi. Ela não queria mais descansar, ela não queria mais olhar pra dor, foi entrega!

Sim ela tomou a decisão de entrega, de sentir por completo cada centímetro do seu corpo cansado, e ainda assim entender que seu filho queria chegar, e ambos precisavam se ajudar, nesse momento já víamos o pequeno Santi, também ali esperando a empurrar, e veio mais e mais força.

Ele veio, rapidamente, como um sopro, um sopro de luz, enviado dos céus. as 17:13 do dia 25/09/2019. Nos braços dela, o insight, olhos nos olhos, ela foi tomada pela adrenalina, seus olhos brilhava, não havia mais cansaço , Victor sem palavras, os dois dentro deles mesmo, completamente conectados. Sem interferências, Santi reconhecendo seu mundo, sua vida, sendo respeitado e admirado. Que incrível. Respirando pouco a pouco, sendo recebido e acolhido pelos seus pais, que mulher forte!! que mulher admirável, e eu sem conseguir pensar direito naquilo tudo, em um misto de lágrimas, gargalhadas, fotos, nem conseguia dimensionar o tamanho que é ver uma vida chegar, e mais que a chegada, a maneira que ela foi concebida, o respeito, o carinho e o amor, agora mais que nunca entendo o que é humanizar, é entender e acolher a escolha da mulher, seja ela qual for, em casa, no hospital, natural ou não, acolher a sua intuição.

Assim foi com essa minha grande amiga, que linda ela estava, radiante, emocionada, inundada de luz!

é, esse é o início da vida, e sim nós podemos escolher, e a escolha é deixar vir, entender que nós mulheres sim fomos feitas para gerar, para amar incondicionalmente, somos grandiosas, e podemos acolher um filho dentro do ventre e sentir como ele deseja vir a esse mundo, com respeito acima de tudo!!

Eu demorei para escrever e demorei para editar as fotos, porém eu sei que foi no momento certo. Santi hoje está maravilhoso de lindo, amado, a Mok segue sua jornada, se conhecendo, crescendo como mãe e mulher. Que orgulho eu tenho de ti querida amiga, tu inspira, tu invade minha alma de carinho


obrigada pela oportunidade de estar com vocês, e de mostrar a tantas outras mulheres que elas podem sim escolher oque elas querem, e mais que isso elas são fortes para receber um filho, criar, educar e amar!


Amo Você Mok! obrigada por me ensinar tanto!


beijos da Gi

um agradecimento lindo a todas elas que fizeram parte desse dia lindo e que tem um trabalho indescritível e sensível

Doula Lari

Enfermeiras Cris, Larine, Cibele, Alyne e Aline

Vocês são incríveis!


Sobre a música!! haa foi ela que marcou e tocou tantas vezes Anunciação Alceu Valença

Veja as fotos ao som dela :)